quinta-feira, 3 de maio de 2012

Faroeste caboclo

A música do Legião Urbana "Faroeste Caboclo" descreve bem o que era a vida na Ceilândia dos anos 1970 e 1980. Sei por experiência própria. Quando minha família se mudou para Brasília, em 1975, vinda de Minas pelo êxodo rural em busca de outras oportunidades, foi lá que a gente se instalou. Não havia infraestrutura urbana, como água encanada, esgoto, asfalto, nem iluminação pública. Ninguém saía à rua depois do anoitecer, a não ser que estivesse disposto a perder a vida. Ceilândia era uma grande favela, um caldeirão de culturas diferentes, nordestinos na maioria, misturados a muitos mineiros e goianos.
Nos anos 80 a cidade já estava melhor estruturada, com melhor infraestrutura, menos barracos de madeira e já não se parecia tanto com uma favela. Depois de morar em uns 10 lugares diferentes em cinco anos, a maioria barracos de fundos alugados, conseguimos uma casinha financiada pela SHIS no Setor P Sul, em 1980. Na época, o setor era chamado de "Caldeirão do Diabo", por causa do alto índice de violência e pelas muitas gangues. Muitos colegas de escola pertenciam a essas gangues. Os desenhos são uma lembrança desses tempos.