terça-feira, 3 de março de 2009

Marel, o mito



O desenho acima não foi feito por mim, embora eu tenha posado como modelo, ainda no milênio passado, por volta de 1986. Eu tinha uns 17 anos e o autor foi o Marel, meu mestre de desenho na época. O desenho fazia parte de uma série de cartazes para alfabetização de adultos pelo Método Paulo Freire, que era novidade naqueles tempos. Com tiragem limitada, foram impressos em serigrafia. Infelizmente, só tenho este detalhe do cartaz, que continha, na parte cortada mais à direita o título "PASSE".

Quanto ao Marel, estou reunindo coragem e material para fazer uma postagem sobre ele. O motivo? No dia 28 de fevereiro passado, estive presente ao seu funeral, no Campo da Esperança, em Brasília.
Marel deixará saudades. Ele era o tipo de pessoa a quem se amava ou odiava, sem meio-termo. Sem hipocrisia, posso dividir minha vida em dois períodos: antes e depois de conhecê-lo.
Que descanse em paz, após uma vida produtiva e uma longa agonia pela doença que afinal o levou.